Meu cão está obeso. E agora?

A obesidade, assim como para os humanos, é um fator muito prejudicial à saúde do pet e pode ocasionar diversos problemas. Considerados membros da família, eles desfrutam de deliciosos pratos de comida e dos maus hábitos alimentares que nós adquirimos; e somados às porções diárias de ração e aperitivos, faz com que os cães também compartilhem dessa doença tão comum aos humanos nos dias atuais: a obesidade.

Uma vez que os cães apenas se alimentam do que servimos… sim, somos nós os culpados pelo comprometimento da saúde deles – além do excesso de peso comprometer a qualidade de vida do animal, influencia negativamente na sua longevidade.

Assim como os humanos, alguns cachorros podem apresentar tendência à obesidade?

A resposta é sim. Cerca de um terço da população canina mundial sofre com obesidade, sendo que nesse índice, as fêmeas são mais afetadas. Além disso, vale considerar que existem rações supercalóricas e algumas raças têm predisposição a engordar consideravelmente, como Basset Hound, Beagle, Dogue Alemão, Golden Retriever, Pug, São Bernardo, entre outros; mas os cães também podem apresentar sobrepeso por razões metabólicas ou stress.

Outro fator que pode contribuir para a obesidade canina é ao processo de castração – a castração pode desencadear ganho de peso, sendo necessário vigiar as porções de ração disponibilizadas para consumo diário e a frequência das recompensas com aperitivos. Uma dica é dar ao pet a dosagem de ração indicada na embalagem, sem excessos durante o dia.

Consequências da obesidade

A obesidade canina acarreta maior risco em cirurgias, aumento do ritmo de funcionamento dos órgãos (pressão), surgimento e agravamento de doenças articulares, como artrite; problemas respiratórios, diabetes, hipertensão, maior probabilidade de desenvolver tumores, problemas gastrointestinais e do sistema imunológico.

Como combater a obesidade

A prevenção sempre é a melhor atitude para manter seu cão saudável. Mas caso ele já tenha sido afetado pela obesidade, existem algumas medidas simples que podem ser adotadas para devolvê-lo sua qualidade de vida: atitudes como observar o tipo de alimentação e a frequência com que o pet se alimenta; reduzir o valor energético sem diminuir a quantidade de ração, suspender guloseimas, estimular o consumo máximo de água e a prática de exercícios são iniciativas que além de contribuir para a perda de peso, devem proporcionar de forma efetiva a inclusão de bons hábitos na vida do cãozinho, além de colaborar também para sua sobrevida.

Outros artigos